9 de agosto de 2014

A quem escreverei
senão ao acaso?
Meus versos cinzas
ecoam nos muros
dessas coisas sociais
do mundo moderno.
Ecoam também meus desesperos
na escassez das minhas turvas emoções.
De que me vale ser poeta?